Jornalista sugere que Temer “assuma o comando de suas tropas” se quiser continuar na presidência



Em artigo, Jornalista Júnior Gurgel questiona a “debandada” da família Batista (Friboi), com apoio da Justiça Brasileira, sob a alegação de “ameaças”. Que país é este que não garante a integridade física de alguém que está sob a proteção do Estado? Sugere ainda o Jornalista que o papel desempenhado por Joesley Batista, foi o mesmo do ex-senador Sérgio Marchado, quando gravou também o ex-presidente José Sarney hospitalizado. 

Em sua opinião, o Congresso está acovardado, e lembrou ainda, que para reestabelecer a ordem, o Presidente Michel Temer é o Supremo Comandante das Forças Armadas, e que pode convocá-la para garantir a ordem Constitucional, ao se referir a uma gravação “vazada” entre um Senador da República e um Ministro do STF.

Confira a íntegra do artigo:

“BANDIDO DEIXA PAÍS AGACHADO por Júnior Gurgel 

Uma das maiores gangs - até agora identificada - que contribuiu com dizimação da economia do país (os Batistas da Friboi) cometendo todo tipo de crime - atropelando a legislação por mais de uma década – abandonaram o Brasil ilesos, e debandam-se para os Estados Unidos, com autorização da Justiça Brasileira. O Juiz Sérgio Moro tem o dever de mandar prendê-los, e aqui, interrogá-lo para que explique a evolução de seu patrimônio, construído sob o impiedoso e sádico processo de desidratação do maior Banco de investimentos do Estado Brasileiro (BNDES) com apoio de corruptos em todas as áreas a partir da iniciativa privada, agências e autarquias do governo (CADE leia-se monopólio); Poder Judiciário; Ministério Público; classe política – segundo o delator – comprou de vereador a Presidente da Republica. O mais grave é o Brasil ter aceitado a “tese” de “ameaças” em território nacional, confessando sua impotência em não garantir a integridade física de um “colaborador” da Justiça. Centenas de delações já homologadas, todos os delatores estão em suas casas, com tornozeleiras eletrônicas e a segurança da Polícia federal. A não ser, que Joesley no Brasil, represente uma ameaça aos Procuradores. Ele pode “vazar” o roteiro original de sua delação “voluntária”, entregando quem estava servindo, ou por este chantageado.

A prisão do delator no Brasil e seu interrogatório se fazem mais que necessário, para que o país e seus habitantes (pobres ignorantes) venham compreender o que de fato está ocorrendo na briga entre Procuradoria Geral da República, STF; STJ e Magistrados de Primeira Instância, insurreição que levará a capitulação de nossas Instituições fragilizadas, hoje sem o menor respeito ou confiança da população. Na última pesquisa realizada sobre a credibilidade dos Brasileiros em suas Instituições, os dados são estarrecedores. Segundo Data Folha – levantamento realiado entre 09 e 15/06/2016 – imaginem se fosse hoje? As Forças Armadas aparece em primeiro lugar com a confiança de 73% dos brasileiros. Em segundo lugar vem a OAB (66%), terceiro a Igreja Católica (61%); seguidos por Poder Judiciário; Imprensa; O Ministério público fica na sétima posição a frente da Polícia Federal (oitava). Presidência da República é confiável apenas por 19%, Congresso Nacional (8%) Partidos Políticos (3%).

Vale destacar que o estilo usado pelos Procuradores para tentar comprometer o Presidente Michel Temer, através de Joesley, foi o mesmo imposto ao ex-senador Sérgio Machado – para salvar seus filhos na Inglaterra com mais de um bilhão de dólares – estabelecidos como proprietários de um Banco de Investimentos. Sérgio Machado gravou o ex-presidente José Sarney, hospitalizado, e se percebe nitidamente no áudio, a insistência numa só pergunta: “qual o Ministro do STF que pode nos ajudar”?

Estilo adotado pela PGE e Policia Federal, historicamente se assemelham a Gestapo e SS do período Nazista, vivido pelos alemães. Quantos e tantos mais judeus fossem presos, mais massageados ficava o ego dos líderes do III Reich, pois tinham a quem culpar pelos seus fracassos aventureiros de dominarem o mundo.

Para quem viveu, vive e mora ou morou em Brasília, e acompanhou de perto a ascenção da Friboi, desconhece este tal “Joesley”. O verdadeiro comandante da Friboi era o Júnior, que elegeu Agnelo Queiroz (PT) Governador do Distrito Federal. Mostrava sua declaração do Imposto de Rendas (pessoa física) depósitos 11 bilhões de reais, e se afastou da empresa (2013). Ou, foi expulso por Joesley e seu irmão. Filiou-se ao PMDB (GO) para ser candidato a Governador do Estado (2014). No Governo Agnelo Queiroz a última palavra era a dele, que indicou quantos e tantos Secretários quis. Por onde anda Júnior? Amigo de Dilma, Lula e seus filhos; Por que o Ministério Público não o ouviu? Era recebido com tapete vermelho no BSB (Banco de Brasília); BASA (Banco estatal regional da Amazônia) e BNDES. Com sua saída do grupo - misteriosamente e sem nenhuma explicação - turbinaram a Holding J&F, e no comando desta, puseram o atual Ministro da Fazenda Henrique Meirelles.

Debaixo da densa “neblina”, não se enxerga nada. Escuta-se apenas a “trovoada” da Rede Globo que tem sacudido o país. A Friboi é o seu terceiro maior anunciante, estando atrás apenas da FEBRABAN (que escala o Banco do mês para patrocinar o JN) e o Governo Federal. Segundo o delator e ladrão Joesley Batista, lavaram dinheiro por todos os lados, cita até o IBOPE. Já a Odebrecht, entregou as Agências de Publicidades. Quando chegará a vez dos Marinhos fazerem suas delações, e pegarem um voo para os Estados Unidos? Talvez quando o Juiz Sérgio Moro intimar para depor Franklin Martins, intermediário das bilionárias verbas publicitárias das empresas estatais e campanhas institucionais Governo Federal. Alguém ouviu ou leu o que não vimos? Foi o Presidente Temer quem chamou a Palácio o Joesley? Ou foi Joesley que forçou um encontro, talvez usando pretexto de ter informações privilegiadas sobre investigações em curso? Isto é muito importante ser esclarecido. Porque se foi o Joesley que propôs encontrar o Presidente às 22:30, era um “delator” que estava em missão.

O imensurável desrespeito entre os poderes chega ao absurdo de “vazarem” através da mídia, áudio de uma ligação de um Ministro da Suprema Corte, entre um Senador da República. O Ministro da Justiça era para mandar prender na hora, quem vazou e quem autorizou sua divulgação, fato que causou danos irreparáveis ao STF. O Congresso está acovardado. Era para ter sido convocado em regime de urgência, discutir a crise, votar impeachment de quem está “direcionando” as investigações de todas estas operações, e apoiar o Presidente da República. Em caso de resistência, o Exército Brasileiro está para garantir a Ordem Constitucional, e é bom lembrar que o Presidente da República – segundo a Constituição Federal – é o Supremo Comandante das Forças Armadas do Brasil.

O Brasil sempre gostou de gestos e atos do Poder Executivo, quando se comporta como Estadista. Demonstrar força e se impor pelo respeito, garante a ordem Constitucional. Os Poderes estão “agachados” por uma delação de um bandido, literalmente carente de provas. Para que continue a funcionar normalmente nossas Instituições, é necessária a coragem do Presidente! Assuma o comando de suas tropas – Forças Armadas – e ponha fim a este quadro de insegurança que ora vive toda a nação.

Júnior Gurgel – É jornalista, radialista e memorialista. Colabora com diversos veículos de imprensa, inclusive com a imprensa alternativa.”